Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Temporada de
Projetos

Temporada 2017

Camisa Social para Pessoas com Dificuldade de Identificar a Esquerda da Direita

ABERTURA
17 outubro, 2017 - 19h00
VISITAÇÃO
De 17 de outubro a 19 de novembro
ACOMPANHAMENTO CRÍTICO
Daniela Labra é curadora de artes visuais e crítica de arte. Pós-doutora em estéticas da Comunicação pela ECO/UFRJ. Doutora em História e Crítica da Arte pelo PPGAV EBA-UFRJ. Desenvolve projetos com ênfase nos temas: arte brasileira contemporânea, história social e produção cultural do Sul global, performance arte. Professora de Teoria e Arte Contemporânea na EAV Parque Lage, RJ(2010-2016). Crítica de artes plásticas no Jornal O Globo (2014-2016). Curadora chefe da Frestas Trienal 2017: Entre Pós-Verdades e Acontecimentos, SESC Sorocaba, SP. Reside e trabalha entre Rio de Janeiro e Berlim.

DANIELA LABRA CONVERSA COM VICTOR DE LA ROCQUE

Começando a conversa, gostaria que falasse um pouco do início da sua trajetória artística. Sua formação e como sua pesquisa foi se tornando interdisciplinar e com interesse na performance. O que primeiro te interessou em termos de fazer: Pintura, desenho, fotografia, vídeo, ações... Por que?

 

 

Eu nasci numa família que tinha esse “lance de arte”, tive contato com meu tio artista Roberto de La Rocque Soares, e meu primo Claudio de La Rocque Leal que era curador, crítico de arte etc , o Claudio éramos mais próximos, pq tinha um contato forte com minha mãe, então todo final de semana lembro da gente lá na casa dele ouvindo jazz e rodeado por paredes cheia de quadros de artistas famosos/conhecidos, que na época pra mim não eram nomes apenas quadros (risos), mas que me aguçavam a percepção, eu lembro muito de um da Claudia Leão, que era uma foto com uma espere de moldura com uma lente de aumento com olhos, o Claudio se tornou uma referência pra mim, lembro que inclusive umas das minhas primeiras conversas com o Paulo H. foi sobre o Claudio e toda aquela figura forte e contraditória que ele era. Eu cresci nesse meio, desde pequeno sabia que era isso que eu ia fazer, eu gostava de cantar, meu sonho era ser cantor de ópera, comecei a estudar no Conservatório Carlos Gomes em Belém quando tinha uns 8 anos de idade, estudava música erudita, na época não podia cantar ópera devido as regras rígidas do conservatório, não tinha idade e nem voz formada segundo eles. Estudei quase 5 anos lá, violino, flauta doce e teoria musical, depois larguei tudo e fui para o teatro, estudei corpo, cheguei a fazer dança um tempo, fiz formação de ator na universidade federal do Pará, entrei pra uma companhia de teatro-dança, mas também fiz teatrão daqueles com texto grande pra decorar (risos). E foi quando veio a época da universidade, eu queria fazer cênicas, mas em Belém não tínhamos graduação ainda em nenhuma universidade, fui para as artes visuais, e através da universidade que comecei a debruçar meus trabalhos para as visuais, aos poucos comecei entrar num processo de afastamento do teatro, lembro de uma época a Marisa Mokarzel, que foi minha professora e orientadora na graduação, dizendo de um processo de negação/afastamento do teatro em meu trabalho, e nesse sentido a performance veio como um caminho, por isso coloco ela como um rastro na minha produção, que segue através para outras linguagens como a fotografia, o video, o desenho, a pintura e o cinema. Eu não me considero um artista da performance, não gosto de ser colocado nesse lugar, apesar de te-la como um vestígio. Essa coisa interdisciplinar no meu processo se deu naturalmente, talvez seja intuitivo e não proposital, acho que pela minha formação desde pequeno na arte ter se dado desta maneira. 

 

 

Sendo paraense, nascido distante do chamado eixo Sul-Sudeste onde a arte contemporânea atende a padrões de circulação definidos (e por vezes engessado) por um sistema, como tem se dado a recepção de seu trabalho no Brasil e no exterior?

 

Não sei ao certo, mas eu posso me considerar um artista marginal, ou “quase” marginal, pq e eu tenho um certo diálogo com esse sistema/circuito de circulação, mas ao mesmo tempo ele não me consome ao todo. É como se eu estivesse dentro e fora ao mesmo tempo, numa relação de morde e assopra. Eu não tenho galeria que me representa no Brasil, mas tenho uma que me representa fora. Isso é curioso. Fora do Brasil eu circulo mais através da minha produção em Performance, e que me parece muito bem estabelecido la fora no sentido de sistema. circuito e mercado, com galerias especializadas nessa linguagem, como a Defibrillator Gallery em Chicago, da qual faço parte. Porém ao mesmo tempo eu tenho inserções do meu trabalho em coleções de Museus tanto na minha cidade como no eixo Sul-Sudeste. Não sei dizer ao certo, e fico temeroso de afirmar isso por várias questões, mas eu sinto a absorção do meu trabalho lá fora mais fluida do que aqui dentro, ou talvez isso seja apenas uma percepção distópica das coisas (risos)

 

 

Percebo em seus trabalhos iniciais, como no projeto Gallus Sapiens, que eles trazem e traduzem de alguma forma elementos locais de sua terra natal. Sem querer rotular de regionalista algumas de suas práticas, poderia nos contar como o contexto de sua terra-natal afeta seu trabalho ainda hoje? Considera isso relevante?

 

 

sim, de total relevância. Acredito que todo o trabalho que produzo possui esse diálogo de onde eu venho. Eu venho de lá, “nascido na Amazônia e de coração selvagem” e vou construindo essas narrativas sobre o que vejo aqui, ali e acolá. Não se trata de “regionalismo”, acho que colocar ou rotular isso seja um padrão estabelecido como necessidade por esse eixo sul-sudeste que deseja engessar o que não pode ser engessado. O lugar de onde eu vim está entranhado na minha carne e no meu suor (há muito calor e humidade na minha terra, rs), e o afeto pelas coisas perpassa por esse caminho, elas são contaminadas e vão contaminando ao mesmo tempo, a natureza tem uma lembrança instintiva. 

 

 

Como surgiu o projeto Camisa Social e por que grafa brazileira com “Z”? 

 

O trabalho nasce a partir da minha dificuldade de lateralidade. Desde que eu me entendo enquanto pessoa não sei identificar os lados e as direções direta e esquerda, sempre num quase drama cotidiano de trocar os lados e me perder nos caminhos e indicações desses caminhos. Então comecei a querer saber de outras pessoas que também possuem essa dificuldade, e como elas viviam e que tipo de estratégias criaram para se localizar. Essa necessidade foi surgindo com o desejo também de dialogar com as questões políticas inflamadas no país. De perceber essa necessidade geral de saber sobre política, de debater sobre, de querer entender os processos, e de toda essa arena que as redes sociais, os encontros nos bares com os amigos e demais reuniões se tornaram em torno da política, como numa corrida pela informação e o conhecimento neste sentido. De repente o país se tornou um turbilhão de informações, discussões e leituras abrindo precedentes para equívocos propositais. o “Z” vem de uma coisa antiga, lembro de uma publicidade que tem em Belém do inicio do século passado numa rua chamada gaspar viana, onde tem escrito alguma coisa e “INDUSTRIA BRAZILEIRA”, e um desenho de índios em meio a floresta ilustrando essa propaganda feita num mural de azulejos de um prédio antigo na cidade, de um antigo que não esta ligado a uma nostalgia sentimental, mas a idéia de anacronismo. Em algumas pesquisas que fiz existia-se uma dúvida sobre a escrita entre Brasil e Brazil, ambas as formas estão corretas e foi quando a reforma ortográfica de 1943 veio a padronizar a escrita correta apenas com S. Há também uma relação crítica com aquela revista americana The Economist, quando estávamos na crista da onda mundial, e lembro da capa do cristo redentor decolando como uma espaço nave da NASA, com o título na capa: “Brazil Takes Off”. 

 

Em 2017 pudemos observar o incremento de discursos que criminalizam a arte e o artista contemporâneo por comentarem a complexidade do mundo que não cabe mais em noções dualistas e simplistas como “bom-mal”, “bonito-feio”, “mulher-homem”, “certo-errado”, etc. Para além da questão da “esquerda-direita” este projeto critica visões dualistas limitadoras. Como você percebe esta sua proposta com relação ao momento político do Brasil?

 

 

Isso me lembra uma entrevista que li da Sueli Rolnik do qual ela fala sobre uma possível “Comunidade Transnacional Flutuante” que parte para além do binário de maneira informal, múltipla e variável, orientada por um bússola ética, “cuja agulha aponta para tudo aquilo que impede a afirmação da vida, sua preservação e sua expansão”. Comecei a pensar a partir de tais provocações numa possível “translateraliade” ultrapassando a ideia da direita e da esquerda no sentido da micropolítica do afeto, do abranger e não do restringir como reatividade opositora. Talvez por isso tenha colocado uma camisa de lados invertidos, ela me dá esse direcionamento que ainda não tem nome, que desejo discutir junto, por isso o do convite para o diálogo nas provocações executadas nas redes sociais para este projeto, numa construção em conjunto de tais narrativas, como num naufrágio onde pequenos pedaços de madeira ou objetos que flutuam soltos são possibilidades de sobrevivência em meio a catástrofe anunciada.  

 

PS. É importante também ressaltar que não me posiciono aqui em cima do muro de tais discussões, pelo contrario, evidentemente parto da perspectiva “canhota” para me lançar a outras ramificações deste pensamento. 

REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms