Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Temporada de
Projetos

Temporada 2017

Clichês

ABERTURA
17 outubro, 2017 - 19h00
VISITAÇÃO
17 de outubro a 19 de novembro
ACOMPANHAMENTO CRÍTICO
Maria Hirszman é jornalista e crítica de artes, colaborando com diversas publicações como o Jornal da Tarde, o Estado de S. Paulo e as revistas Fapesp e Arte!Brasileiros. É também pesquisadora em história da arte, com mestrado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), além de integrar o Grupo de Estudos Arte&Fotografia da ECA-USP e o Conselho Editorial da Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural.

MARIA HIRSZMAN CONVERSA COM JULIANA KASE

m              

Essa exposição, com o título sugestivo de "Clichês", nasce de uma investigação profunda de um arquivo morto sobre o período da ditadura militar. Qual foi seu ponto de partida?

 

Em 2014, um amigo me procurou dizendo que tinha sido procurado por um homem que queria vender uma caixa de clichês. Se ninguém comprasse ele ia jogar fora, mandar para o ferro velho. Acabei oferecendo 100 reais e recebi uma mala, toda cheia de envelopes amassados, dobrados, os clichês todos jogados, bem empoeirada mesmo. Fui ver o que era e me deparei com retratos de alguns presidentes do período da ditadura, imagens da inauguração da Transamazônica e pensei: “nossa, isso vai me dar muito trabalho. Preciso de tempo para isso. E guardei de volta, por quase um ano. Porque não dá para dar uma olhadinha só.”.

 

Foi difícil lidar com esse material, tanto pelo seu caráter caótico, como pelo vínculo com esse período terrível da história recente? Fale um pouco mais sobre esse processo.

 

E eu nem sabia o que ia fazer, não tinha ideia. Nem sabia se eu ia usar realmente para alguma coisa. Não é fácil você reimprimir imagens que você nem concorda. Você fica se perguntando: para que eu vou reimprimir uma imagem que eu detesto? Esse trabalho não é da ordem do prazer. Na verdade, é bem pesado.

 

Organizar, hierarquizar, classificar de certa forma faz parte do seu método, não?

 

Faz. Eu já não sei se era o material que estava pedindo ou é meu procedimento mesmo, mas tento organizar. Realmente vi que era um material do período da ditadura, misturada à propaganda, provavelmente de um jornalzinho, cujo nome não consegui identificar. Foram necessários vários meses para imprimir tudo, a demora foi fundamental para conviver com essas imagens. Eu ia ao Centro Cultural São Paulo (CCSP) semanalmente imprimir, era um processo muito lento, e as imagens foram se tornando familiares.

 

E se transformaram num corpo de trabalho, uma reflexão atual sobre um momento histórico?

 

Sim, acho que sim, porque você vê aí que você precisa fazer aquilo mesmo, que seria uma irresponsabilidade deixar esses clichês assim. Levar para o Arquivo do Estado e deixar lá entende?

 

Essas imagens não têm em si essa potencia plástica ou conceitual. Só adquirem isso através de você.

 

É, mas isso acho que vai naturalmente. Não é uma coisa intencional. É o procedimento artístico mesmo. Acho que é essa a graça da coisa. Catalogar, imprimir, limpar foi a primeira parte. Em seguida, no fim de 2015, imprimi a segunda parte do projeto, esses conjuntos que funcionam como álbuns de figurinhas. Foi importante organizar o material em grupos mais concisos, mais coerentes. Como eram mais de duzentas imagens no total, percebi que ele se tornava ilegível para as pessoas. Sinto que hoje as pessoas têm uma dificuldade para filtrar essas imagens sabe? Então eu fiz um recorte, que contempla a economia, vinculada à política, vinculada a aparatos bélicos e vinculada à toda uma ideologia. Não tem como separar, elas vão de mãos dadas até hoje.

 

 

É curioso porque você só tem imagem, não tem o texto. Mas recorreu ao máximo às poucas referências que recebeu.

 

O que eu tenho de texto é isso, alguns envelopes escritos a mão. Fui anotando tudo que eu consegui identificar. Esta foi a primeira vez que eu trabalhei com imagem de terceiros, sabe? É outra responsabilidade. A estética vira ética, sabe? Cada cor usada na gravura tem um significado, o verde militar, o verde bandeira, o verde dos dólares... A trama em ziguezague usada nas gravuras vem do interior dos envelopes. Não há nada supérfluo.

 

A exposição, que na verdade pode ser considerada uma grande instalação, contempla ainda dois outros trabalhos com forte caráter de denúncia: o mapa e uma seleção de clichês contrapostos a imagens sobre os temas tratados de forma apologética no material de base.

 

Eu queria mostrar os clichês também. Difícil falar deles sem as pessoas saberem o que é. Quis mostrá-los ao lado de uma imagem análoga, sobre o mesmo tema, que não foi veiculada. O mapa para mim já deriva de outro sentimento, de superação, de uma proposta, um redesenho de um mapa da América Latina principalmente com os nomes indígenas. Também contribui o fato de as pessoas poderem também botar a mão na massa, imprimir trechos dele e levar para casa, ao invés de ficar só olhando.

 

O mapa se contrapõe diretamente a esse Brasil do progresso, que você vai ver nos clichês?

 

O que é que vivem na Amazônia e no Acre? A colonização. A gente está em 1500, não mudou nada. Ou aí, no Pico do Jaraguá. É a mesma coisa. Não tem genocídio o tempo inteiro?

 

Essa necessidade de estar no mundo é uma marca sua?

 

É, mas eu não conheço um artista que não esteja atento. Alguns podem estar mais atentos para um aspecto mais visual, que chama mais a atenção, mas sempre tem algum nível de atenção. A gente tem que beber de algum lugar senão fica se retroalimentando. Como diz Massao Ohno (editor e artista gráfico sobre o qual Juliana Kase prepara atualmente um documentário), "interessa a poesia em todos os níveis, porque é nos diversos níveis que ela vai sensibilizar as diversas pessoas".  Nas artes visuais também acho que interessa essa pluralidade. As pessoas cobram posturas das outras, discursos. Não acho que um pintor formalista ou um que pinta flores seja menos importante que um que fale sobre política ou assuntos atuais. Importa é a pessoa estar coerente no seu processo. Porque sempre estamos em movimento e sempre aprendendo.

 

Você não tem um lugar de preferência. Talvez na fotografia, ou melhor, nas imagens reproduzíveis?

 

É. Na verdade eu gosto de todas, sabia? Gosto de estar num lugar em que estou sempre aprendendo alguma coisa. Se não aprendo, eu saio. Vou para outro lugar. As pessoas têm às vezes dificuldade para entender quando você transita muito, por linguagens artísticas ou técnicas.

 

É curiosa a força do clichê no seu trabalho, tanto em termos de suporte gráfico como pela forte carga semântica do termo. Qual seria a imagem mais "clichê" deste conjunto? Há uma imagem síntese?

 

Tem uma da marinha mercante que quando eu vi fiquei chocada. É uma imagem da costa brasileira com uma porção de navios, acompanhada por um poeminha enaltecendo a ideia do progresso, a ideologia desenvolvimentista: "Os navios levam cargas, os países fazem comércio, as pessoas viajam, isso é comunicação. A comunicação traz o progresso, o progresso é nossa meta". E não é claro para as pessoas até hoje o quanto que custa isso.

 

 

 

 

Este projeto nasce de um grande encontro. É como se o arquivo tivesse te encontrado e não o contrário.

 

Se você está poroso, você é atravessado pelos assuntos que estão em volta de você. Mas no caso específico da ditadura, você vai esbarrar no dia a dia em algum momento. Ou na ação de uma pessoa, ou numa noticia de jornal, ou num clichê que aparece, sabe? Sempre se esbarra nesse assunto no Brasil.

 

Não está superado, né?

 

Não, ele está aí. É só tirar a casquinha para ter a ferida exposta. Porque mesmo os que não foram vitimados por torturas ou violências praticadas pelo Estado também são vítimas de um condicionamento ideológico e de um embrutecimento das relações humanas sem se dar conta.

 

A gente tem um grande analfabetismo visual.

 

Se as pessoas ainda acham que a mídia é neutra?

 

Você acha que isso que vivemos hoje é resquício daquela época? É continuação ou retorno?

 

É continuação. Pode ter ficado um pouco menos intenso por um período, mas não foi resolvido. A gente não teve um processo judicial para incriminar as torturas e as mortes durante a ditadura. Como é que vai ter superação? Ainda com os governos que a gente tem agora, estadual, municipal e federal. Aí as pessoas se sentem no direito de botar para fora todo o ódio. Por isso que estou chamando a memória que não foi resolvida, sabe?

REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms