Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Evento

Último evento do Paço das Artes na Cidade Universitária

ABERTURA
19 março, 2016 - 15h00
VISITAÇÃO
19 de março de 2016 >> sábado >> a partir das 15h
Grátis | Livre
CURADORIA
Priscila Arantes
IMPRENSA
DOWNLOADS
LINKS
Paço das Artes faz último evento na USP com Ilú Obá De Min e Néle Azevedo

O bloco afro Ilú Obá De Min e as esculturas de gelo de Néle Azevedo são as atrações do evento de encerramento das atividades do Paço das Artes na Cidade Universitária (av. da Universidade 1), que ocorre no dia 19 de março a partir das 15h.

Segundo Priscila Arantes, diretora artística e curadora do Paço das Artes (instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo), a ação é uma homenagem à trajetória do Paço das Artes e a todos as pessoas que já passaram pelo local. “De caráter efêmero, a obra Monumento Mínimo, da artista Néle Azevedo, será recriada na icônica escadaria do prédio, principal ponto de encontro dos visitantes da instituição e também palco de vários eventos já realizados pela casa. Para encerrar as atividades neste edifício com energia positiva, convidamos o Ilú Obá De Min, grupo conhecido por empoderar as mulheres e difundir a cultura afro-brasileira, para uma apresentação na frente do Paço”, diz Arantes.

Monumento Mínimo

Monumento Mínimo é uma série de intervenções urbanas da artista brasileira Néle Azevedo, que já passou por países como Alemanha, Chile, França, Holanda e Inglaterra desde 2005. O projeto, que começou com figuras solitárias, atualmente reúne centenas de pequenas esculturas de gelo, que ocuparão os degraus da escadaria do Paço das Artes.

De acordo com a artista, o trabalho é uma leitura crítica do monumento nas cidades contemporâneas. Em uma ação de poucos minutos, os cânones oficiais do monumento são invertidos: no lugar do herói, o anônimo; no lugar da solidez da pedra, o processo efêmero do gelo; no lugar da escala grandiosa do monumento, a escala mínima dos corpos perecíveis. “A memória fica inscrita na imagem fotográfica. Não está reservada a grandes heróis, nem aos grandes monumentos. Ele perde a sua condição estática para ganhar fluidez no deslocamento urbano e na mudança de estado da água. Concentram-se em pequenas esculturas de homens pequenos, os homens comuns”, afirma.

Ilú Obá De Min

O bloco afro Ilú Obá De Min, que significa “mãos femininas que tocam tambor para o rei Xangô”, é uma intervenção cultural baseada na preservação de patrimônio imaterial, que leva para os centros urbanos as manifestações das culturas tradicionais. O trabalho é coordenado pela arte-educadora e musicista Beth Beli, que desenvolve pesquisa sobre matrizes africanas e afro-brasileiras há mais de 20 anos. O grupo tem como objetivo inserir mulheres, crianças e adolescentes nas culturas tradicionais negras e no estudo das influências africanas na cultura brasileira.

A finalidade destes estudos e das oficinas de percussão e dança é apropriar-se da história e recontá-la a partir da memória ancestral existente no Candomblé, no Jongo, no Maracatu, nos Batuques, entre outras expressões genuínas da cultura popular, e explorar a diversidade cultural e rítmica da música brasileira advindas do legado deixado por ancestrais africanos.

A repercussão do projeto desenvolvido há 11 anos na capital paulista atraiu no Carnaval de 2016 um público de cerca de 20.000 pessoas, que puderam ver o espetáculo Elza Soares Pérola Negra nas ruas do centro e da Barra Funda (zona oeste da cidade).

Paço das Artes: um novo momento

A partir de abril, o Paço das Artes vai transferir temporariamente suas atividades e exposições para o piso térreo do Museu da Imagem e do Som (MIS-SP) e para a Oficina Cultural Oswald de Andrade. A solução será adotada enquanto a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo busca outra sede para o museu, uma vez que a atual, localizada na Cidade Universitária, será devolvida ao Instituto Butantan, proprietário do edifício, que está remodelando sua estrutura física para dar lugar à fábrica da vacina brasileira da dengue. A área hoje ocupada pelo Paço faz parte de um complexo maior que será utilizado pelo Butantan para reunir laboratórios em um centro de inovação em biotecnologia.

A programação continuará nestes locais, mantendo sempre a proposta original do Paço enquanto um projeto de experimentação e estímulo da arte contemporânea. Iniciativas que ajudam a revelar novos nomes da cena artística da atualidade, a Temporada de Projetos e a Residência Artística e Curatorial estão mantidas e serão realizadas ao longo do ano no MIS-SP. A retrospectiva da artista Lenora de Barros, com curadoria de Priscila Arantes (diretora artística e curadora do Paço das Artes), será realizada na Oficina Cultural Oswald de Andrade, no Bom Retiro, com abertura prevista para abril de 2016.

Desde sua inauguração, em 1970, o Paço das Artes ocupou diversos locais: Avenida Paulista, na Pinacoteca do Estado e no próprio MIS-SP. Tendo foco na arte contemporânea em seus processos de criação e curadoria, o Paço baseia suas atividades em exposições temporárias e editais, não possuindo acervo físico. Os processos de criação fomentados pelo Paço compõem um acervo de memória digital, disponível em http://mapa.pacodasartes.org.br.


SERVIÇO

Data: 19 de março de 2016 >> sábado
Programação: Monumento Mínimo, de Néle Azevedo, às 15h, e apresentação do bloco afro Ilú Obá De Min, às 17h
Grátis | Livre

Paço das Artes
Avenida da Universidade, 1, Cidade Universitária, São Paulo – SP
Tel.: (11) 3814-3842 | 3815-4895
www.pacodasartes.org.br
http://mapa.pacodasartes.org.br
Bloco afro Ilú Obá De Min

Foto: Andreza Cavalcanti
"Monumento Mínimo", de Néle Azevedo

REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms